Apnéia Obstrutiva do Sono e Doenças Cardiovasculares - Qual o verdadeiro risco?

A Apnéia Obstrutiva do Sono é muito mais comuns do que se imaginava anos atrás. Estima-se que até 34% dos Homens e 17% das mulheres podem desenvolver esta doença ao longo da vida. A importância deste assunto vai muito além do incômodo que o ronco noturno pode causar no parceiro (a). Trata-se, na verdade, de uma doença que pode favorecer o desenvolvimento de Hipertensão Arterial, aumentar o risco de Insuficiência Cardíaca, Fibrilação Atrial , Doença Arterial Coronariana e até mesmo, levar ao Acidente Vascular Encefálico ( AVC) .

 

1- Tipos de Apneias do Sono:

A Apnéia do Sono representa pequenas pausas na respiração habitual durante o Sono por pelo menos 10 segundos. Ela é dita "Obstrutiva" quando não há fluxo de ar transitoriamente por obstrução das vias aéreas superiores por alguma estrutura. Existe um outro tipo de Apnéia do Sono, dita "Central" que é mais comum em pacientes com Insuficiência Cardíaca e usuários de medicações derivadas de opióides o que reflete uma certa "desregulação" respiração durante o sono. A definição de Apnéia Do Sono é a presença de sintomas + Índice de Apnéia e Hipopnéia maior que 5 eventos por hora na Polissonografia.

 

2- Quais são os Sintomas que podem levar a suspeita da Apnéia do Sono?

-       Sonolência diurna

-       Cansaço

-       Insônia

-       Roncos noturnos, altos

-       Engasgos frequentes a noite

-       Falta de concentração

-       Angina pectoris a noite

-       Mudanças no Humor

-       Aparecimento de Doenças em jovens como Hipertensão, Diabetes, Doença Coronariana precoce, Arritmias como Fibrilação atrial. 

-       Apnéia evidenciada pelo companheiro (a) 

 

3- O que é Polissonografia?

É um exame não invasivo, realizado principalmente em laboratórios especializados e Hospitais habilitados. O paciente dorme sob monitorização de vários parâmetros vitais, como oxigenação, Frequência Cardíaca , para que seja evidenciado as alterações no organismo associadas às interrupções na respiração durante o sono. Existe a forma domiciliar do exame, mais simplificado mas também muito útil para o diagnóstico.

 

4- Qual a relação entre Obesidade e Apnéia Obstrutiva do Sono ?

Há uma associação muito conhecida entre estas duas doenças . Entretanto, 20 a 40% dos pacientes com Apnéia Obstrutiva não são obesos. Nestes, deve-se investigar outras causas, como questões anatômicas na via aérea.

 

5- Quais outros Fatores de Risco para Apnéia do Sono?

-       Aumento com idade , acima dos 30 anos sobretudo

-       História familiar de Apnéia do Sono

-       Homens, sobretudo com Obesidade

-       Mulheres na pós menopausa

-       Anormalidades da Região Crânio-facial, Via Aérea Superior

-       Insuficiencia Cardíaca

-       Insuficiencia Renal Dialítica

-       Hipotireoidismo

-       Acromegalia

 

6- Como a Apnéia do Sono leva à Doenças Cardiovasculares?

Há uma série de alterações no organismo que sofre de Apneia do Sono. Há um aumento na atividade do Sistema Nervoso simpático, como se o organismo levasse "sustos" durante a noite toda, com elevação , portanto, aumento de frequência cardíaca, Pressão Arterial, Inflamação, desequilíbrio metabólico.  O somatório das alterações pode levar à Arritmias como Extrassístoles, Fibrilação atrial , Descontrole Pressórico, Descontrole de Diabetes.

 

7- Como tratar a Apnéia Obstrutiva do Sono?

O tratamento da Apnéia Obstrutivapode ser desafiador, mas recompensador pela melhora dos sintomas, qualidade de vidae possíveis efeitos benéfico em termos cardiovasculares, como diminuição da Pressão Arterial e menor recorrência de Fibrilação Atrial. Entretanto, a aderência ao longo do tempo é muito importante assim como oacompanhamento multiprofissional, visando redução do peso e controle de doenças associadas, como Hipertensão, Insuficiência Cardíaca, Doença Arterial Coronariana , Diabetes, dentre outros.

O uso de dispositivos como CPAP ( Dispositivo de Pressão Positiva na Via Aérea ) durante a noite pode ser necessário, bem como outras medidas para melhoria dos sintomas. 

8- Quais outras medidas e dicas terapêuticas pode ajudam?

-       Perda de Peso

-       Evitar bebidas Alcoólicas

-       Evitar sedativos e medicações para "dormir" de forma indiscriminada

-       Controle de Doenças Associadas com os respectivos profissionais especializados

-       Cirurgia para melhoria da Anatomia da via aérea ( com Otorrinolaringologista - alguns casos podem se beneficiar)

 

9- Qual o papel do Cardiologista na Apneia Do Sono?

-       Identificar pacientes com Fatores de Risco e realizar o diagnóstico

-       Tratar as Condições Clínicas associadas ( Hipertensão, Diabetes, etc)

-       Tratar Complicações Clínicas que podem surgir com o tempo ( Insuficiência Cardíaca, Infarto , etc )

-       Encaminhar para demais profissionais necessários como Especialistas em Medicina do Sono, Nutricionista, Cirurgião do Aparelho Digestivo, Otorrinolaringologista - conforme o caso.

 

Fontes:

 Peppard PE, Young T, Barnet JH, et al. - Increased prevalence of sleep-disordered breathing in adults. Am J Epidemiol 2013;177:1006–14.

Javaheri et al. Sleep Apnea- Review - JACC. VOL 69,NO 7, 2017.FEBRUARY 21, 2017 : 841–58

Lyons OD, Bradley TD. Heart failure and sleep apnea. Can J Cardiol 2015;31:898–908.

May AM, Blackwell T, Stone PH, et al., for the MrOS Sleep (Outcomes of Sleep Disorders in Older Men) Study Group. Central sleep-disordered breathing predicts incident atrial fibrillation in older men. Am J Respir Crit Care Med 2016;193: 783–91.

Chirinos JA, Gurubhagavatula I, Teff K, et al. CPAP, weight loss, or both for obstructive sleep

apnea. N Engl J Med 2014;370:2265–75.

Drager LF, Polotsky VY, O’Donnell CP, et al. Translational approaches to understanding metabolic dysfunction and cardiovascular consequences of obstructive sleep apnea. Am J Physiol Heart Circ Physiol 2015;309:H1101–11.

Jordan AS, McSharry DG, Malhotra A. Adult obstructive sleep apnoea. Lancet 2014;383:

736–47.

www.uptodate.com