Estenose Aórtica

Uma das doenças do coração mais comuns hoje em dia, por conta do envelhecimento da população, é a Estenose Aórtica. Estima-se que mais de 3.9 % da população geral acima de 70 anos possuam esta doença. É muita gente!  Desta forma, reserve alguns minutos para ler a matéria abaixo.

A Valva Aórtica é uma estrutura do coração, composta, de forma simplifica, por três partes (Válvulas). Esta estrutura controla o fluxo de sangue que é ejetado pelo coração (ventrículo esquerdo) em direção ao organismo. Todo o Fluxo de sangue do corpo passa obrigatoriamente por esta Valva, algo em torno de 5 litros por minuto.  Com o passar do tempo, pode haver um desgaste natural desta importante valva do nosso coração pela alta pressão a qual ela é submetida durante toda a vida.

 

O que é Estenose Aórtica?

Trata-se da causa mais comum de obstrução ao fluxo de sangue que sai do Ventrículo esquerdo em direção ao organismo.  A Valva Aórtica pode desgastar com o tempo, calcificar e fundir suas válvulas (partes integrantes )  o que pode causar sintomas como falta de ar e dor no peito pois a passagem de sangue para o organismo é prejudicada.  Com o passar do tempo, certamente, estar doença se torna cada vez mais importante e prevalente em nossa população.

 

Quais são as causas?

- Estenose Aórtica Degenerativa ( desgaste com o tempo )

- Valva Aórtica bicúspide calcificada (doença congênita mais comum do coração, que pode levar a degeneração precoce da valva aórtica)  

Estenose da Válvula Aórtica

- Febre Reumática ( em geral associado a problemas semelhantes na valva Mitral ) 

- Estenose Aórtica Congênita ( nasce já com este problema)

 

Quais são os sintomas?

A doença pode existir e não produzir sintomas por um longo período no qual a valva sofre um processo de desgaste. Em geral, pode ser um achado de Check-up, quando da ausculta Cardíaca em adultos.

Com o avançar da doença, os sintomas podem ser:

- Falta de ar, sobretudo aos esforços.

- Dor no peito de forte intensidade 

- Desmaio súbito

- Tontura e palpitação

 

Como fazer o Diagnóstico? Devo me preocupar?

Sempre que houver o achado suspeito de Estenose Aórtica, deve-se procurar realizar o diagnóstico e acompanhar com seu cardiologista. Ocorre que em pacientes completamente assintomáticos e sem repercussão cardíaca, pode-se apenas acompanhar periodicamente, sem nenhum tipo de intervenção até que surjam os sintomas. Entretanto, se os sintomas já estiverem  presentes é mandatório que se realize o quanto antes o diagnóstico pois a doença pode estar em fase avançada e a chance de complicações aumenta muito.

O diagnóstico é feito a partir de um exame físico bem completo, com ausculta cardíaca minuciosa com auxílio do Ecocardiograma Transtorácico, exame chave para confirmar o diagnóstico e classificar a gravidade da doença. É um exame não invasivo e amplamente disponível.

 

“Tenho Estenose Aórtica mas não tenho sintomas”. O que fazer?

EM geral, a Estenose Aórtica leve a moderada, sem sintomas atribuíveis a ela deve sem acompanhadas com consulta clínica e Ecocardiograma periódico conforme cada caso. Alguns doentes apresentam mais rápida progressão da doença, outros demoram anos para manifestar qualquer sintoma.

Alguns fatores podem levar ao desgaste mais precoce da valva aórtica:

- Intensa calcificação da Valva Aórtica

- Diabetes mellitus

- Idosos

- Homens

- Colesterol Alto (Dislipidemias)

- Tabagismo

- Doença Renal Crônica 

 

Como Tratar a Estenose Aórtica ?

Até o momento, não existe medicação especifica para esta doença. O tratamento é essencialmente cirúrgico. A indicação cirúrgica deve ser debatida com seu cardiologista, bem como o momento ideal e a forma mais adequada.

 

Quais os tipos de cirurgia? Para Quem está indicado?  

De forma simplificada, os pacientes com Estenose Aórtica importante / Severa e com sintomas são potenciais candidatos a algum tipo de troca da valva doente. Há outras indicações cirúrgicas, como em pacientes sem sintomas mas que demonstrem que a doença já é muito avançada em termos de repercussão cardíaca , o que confere risco à curto prazo de piora clínica e até de morte súbita. Este subgrupo, mesmo sem sintomas, podem ser candidatos à cirurgia.

Modalidades Cirúrgicas

- Cirurgia Aberta, troca de Valva Aórtica

Coração

- Implante de Bioprótese por cateter  

TAVI

Posso “escolher” qual o tipo de cirurgia? Como é o preparo para Cirurgia?

Em primeiro lugar, a indicação cirúrgica deve ser no momento certo. Uma vez firmada a indicação, deve-se levar em consideração uma seria de questões como doenças já existentes, idade, risco cirúrgico e função cardíaca. Esta decisão é relativamente complexa e deve ser em conjunto com seu Cardiologista.

O preparo para cirurgia pode varia bastantemas em geral, deve-se realizar exames gerais de sangue, urinae uma avaliação das Artérias Coronárias do coração sobretudo em pacientes acima de 40 anos. Pode ser necessário Cateterismo Cardíaco programado antes da Cirurgia.

 

Como é o implante de Bioprótese por Catéter ( “TAVR- Transcatheter Aortic Valve Replacement“)?

É um procedimento menos invasivo, mais recente e altamente especializado, feito em centros com estrutura para tal. Aprovado desde 2011 ( nos EUA) , ganha cada vez mais espaço no nosso meio sobretudo em pacientes de ALTO RISCO CIRÚRGICO , no qual a cirurgia cardíacapossui um risco muito alto ou até mesmo proibitivo.  Para se decidir por esta modalidade terapêutica complexa devem-se levar em consideração os aspectos clínicos do doente, de forma global, e até mesmo a opinião do cirurgião e do hemodinamicista (“ médico que faz o cateterismo “) . Há mais de um tipo de TAVR e mais uma via de acesso para colocação da prótese.   Existem complicações possíveis nesta forma de tratamento, apesar de menos invasivo que cirurgia cardíaca convencional de tal forma que tudo isto deve ser levado em consideração caso a caso. Consulte seu Cardiologista sobre esta modalidade, sobretudo em pacientes muito idosos e com múltiplas doenças pré-existentes.

 

Quais os Objetivos de Operar/ Trocar a valva Aórtica?

- Melhoria qualidade de vida

- Melhora da função cardíaca, sobretudo em pacientes com Insuficiência Cardíaca

- Melhora dos sintomas

- Diminuição de risco de morte súbita sobretudo em pacientes com Estenose Aórtica importante / muito severa

- Melhora da sobrevida sobretudo em pacientes sintomáticos

 

Fonte:

2017 ACC Expert Consensus Decision Pathway for Transcatheter Aortic Valve Replacement in the Management of Adults With Aortic Stenosis. JOURNAL OF THE AMERICAN COLLEGE OF CARDIOLOGY. VOL. 69, NO. 10, 2017

Diretriz Brasileira de Valvopatias – Sociedade Brasileira de Cardiologia -  2011

Nishimura RA, Otto CM, Bonow RO, et al. 2014 AHA/ACC guideline for the management of patients with valvular heart disease: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Practice Guidelines. J Am Coll Cardiol 2014; 63:e57.

 Lund O. Preoperative risk evaluation and stratification of long-term survival after valve replacement for aortic stenosis. Reasons for earlier operative intervention. Circulation 1990; 82:124.

Joint Task Force on the Management of Valvular Heart Disease of the European Society of Cardiology (ESC), European Association for Cardio-Thoracic Surgery (EACTS), Vahanian A, et al. Guidelines on the management of valvular heart disease (version 2012). Eur Heart J 2012; 33:2451.

Uptodate.com