Palpitação - Quando se preocupar?

Ao contrário do senso comum, a Ansiedade não é a única causadora de palpitações ( "sensação de batedeira no coração "). Trata-se de uma queixa muito comum em Pronto-atendimentos e também na prática diária do consultório de cardiologia.

É muito importante ter consciência de que esta queixa pode ter inúmeras causas e deve ser investigada, ainda que com um simples eletrocardiograma de repouso. Desta forma, recomendo que comente sobre isto com seu cardiologista para que , após avaliação médica completa, a investigação seja direcionada para as causas principais. Entenda um pouco mais com o texto abaixo.

 

1 -  O que é palpitação ?

A Palpitação é descrita pelos pacientes de várias formas. Em geral, pode ser entendida como uma sensação de que o Batimento cardíaco está acelerado, irregular, fora do ritmo habitual. Algumas pessoas relatam uma sensação de algo pulsátil no pescoço e no peito.

 

2- Quais as causas mais comuns?

Há causas que não geram risco significativo à integridade física do paciente, como Excesso de cafeína, Ansiedade e síndrome do Pânico, Excesso de estimulantes como energéticos.

 

Entretanto, há inúmeras causas de origem cardíaca e outras situações clínicasque podem gerar o mesmo sintoma. Nestes casos, é preciso ajuda especializada.

Os principais:

-       Arritmias

-       Doenças Cardíacas como as Valvopatias, Miocardiopatias,

-       Disfunção de Marcapasso Cardíaco

-       Suspensão abrupta de medicações como anti-arrítmicos e Beta-bloqueadores

-       Intoxicação por Drogas estimulantes ( cocaína e similares) , Bebidas Alcoólicas em Excesso

-       Anemia significativa, Febre alta

-       Doenças da Tireóide ( Hipotireoidismo ou Hipertireoidismo)

-       Apnéia Obstrutiva do Sono

 

3- Quando devo procurarajuda médica no Pronto Socorro? Quando devo aguardar para agendar consulta em consultório?

Esta pode ser uma decisão difícil para maioria das pessoas, sobretudo sem nunca ter sido avaliado por um médico e ter feito um Eletrocardiograma. 

 

De Forma geral, a palpitação que é muito intensa, prolongada e que vem acompanhada de sintomas como Falta de ar, Desmaio, Perda abrupta de Consciência, Dor no peito Súbita, tontura intensa, náuseas e vômitos é mais preocupante e deve ser avaliada de forma emergencial. Pacientes que já possuem doenças cardíacas conhecidas como Miocardiopatia Hipertrófica, Infarto do Miocárdio Prévio, Doenças Valvares, Presença de Marcapasso Cardíaco , Insuficiência Cardíaca são grupos de maior risco para arritmias graves e , portanto, devem discutir esse assunto com seu médico em caso do surgimento de qualquer sintoma novo como a palpitação.

 

Os Fatores que podem sugerir alguma causa benigna de palpitação ( procure consultório como 1a escolha)  são:

- pacientes jovens,

- sem doenças do coração

- sem histórico familiar de morte súbita ou doenças cardíacas precoces

- com sintomas há meses e que duram segundos

- ausência de sintomas preocupantes como falta de ar e dor no peito, desmaio súbito

Apesar de todo o cuidado, há casos de surgimento de Arritmias cardíacas em pacientes jovens e sem histórico algum, daí a importância da avaliação individualizada e com realização de, no mínimo, um eletrocardiograma de repouso.  

 

4- Como é a Investigação clínica?

É importante que a avaliação médica seja completa e pormenorizada para que não haja realização de exames desnecessários e estresse emocional adicional associado à indefinição diagnóstica.

 

Os principais exames solicitados na Prática Clínica, com base na suspeita diagnóstica são:

-       Eletrocardiograma- de forma geral, todos devem fazer.

-       Holterde 24 horas - exame não invasivo, que avalia o "ritmo cardíaco" por um dia inteiro. Muito importante para correlacionar com os sintomas e ampliar o diagnóstico.

-       Ecocardiograma - Solicitado em casos de suspeita de Doença cardíaca estrutural, avaliação de sopros cardíacos , dentre outras funções.

-       Exames de sangue - Conforme a suspeita clínica e contexto já sabido. Casos de mal funcionamento da tireóide , por exemplo, podem ser descobertos com um exame de sangue simples

-       Teste Ergométrico - exame restrito a casos de suspeita de arritmia desencadeada ao esforço

-       Estudo Eletrofisiológico - em casos de alto risco de arritmias graves em pacientes com doença cardíaca conhecida.

-       Looper recorder - O mais comum é emprego do Looper externo, para avaliação de arritmias não esclarecidas com os exames iniciais. Existe o Looper implantável, que fica abaixo da pele do paciente, mas que deve ser reservado a poucos casos, não esclarecidos e que possuem risco de terem arritmias graves e desmaios suspeitos.

-       Outros exames podem ser pedidos, com base na suspeita clínica e risco de arritmias graves e morte súbita.

 

5- "Após passar em um Pronto-socorro, fui liberado e orientado procurar um cardiologista."

Já Ouvi esta frase! Devo me preocupar?

Tenha calma e procure seu médico cardiologista para definição diagnóstica e aferição do risco de doenças cardíacas e arritmias. Leve seus últimos exames de sangue e todos os Eletrocardiogramas que já fez na vida.

As causas são muitase os riscos variados. Existem muitos exames disponíveis hoje em dia, mas nem sempre são indicados. A Investigação deve ser individualizada e de forma racional.